Forças Armadas levam assistência médica aos brasileiros que vivem em áreas remotas do país

Brasília (DF), 29/12/2020 – Em 2020, ações interministeriais da Defesa e da Saúde alcançaram os brasileiros que moram em locais distantes dos centros urbanos. Foram realizadas 19 missões, sendo 16 voltadas aos povos indígenas. Essas, ocorreram de maio a dezembro em estados das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste do País. Além disso, foram transportadas mais de 54,5 toneladas de insumos de saúde no apoio a essas populações.

Ao todo, 401 profissionais de saúde de diferentes estados brasileiros participaram das operações e realizaram mais de 63 mil atendimentos. As equipes foram compostas por clínicos gerais, cardiologistas, ginecologistas, pediatras, infectologistas, enfermeiros, técnicos em enfermagem, veterinários, entre outros.

As ações ocorreram no Amazonas, Pará, Acre, Amapá, Roraima, Maranhão, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As principais etnias abrangidas foram yanomami, kanamarí, macuxi, tiryós, xavante, karajás, terenas, guajajara, kaxinauás, kayapó, wai-wai e ticunas.

As missões contaram com extenso apoio logístico, pois envolveu militares de Norte a Sul do Brasil, bem como transporte aéreo, naval e terrestre para deslocá-los até as aldeias de difícil acesso. O Tenente Enfermeiro Albino Gelsdorf Júnior viajou mais de 3 mil quilômetros para chegar às comunidades indígenas. Integrante da equipe oriunda de Canoas, no Rio Grande do Sul, o militar da Força Aérea, serviu na Missão Alto Solimões, a última do ano, que ocorreu de 7 a 14 de dezembro, em aldeias dos arredores de Tabatinga, no Amazonas.

Ele diz que a vivência nas aldeias foi marcante. “Poder levar cuidado junto com as especialidades médicas a brasileiros que estão tão distantes foi uma experiência incrível e muito importante para mim”, assegurou.

A Tenente Enfermeira Camila Reis, da Marinha, participou da missão Guamá Tocantins, de 23 e 30 de novembro, nas aldeias do noroeste do Pará. Para ela, servir em ações como essa é fundamental para quem trabalha com saúde. “É uma experiência única na nossa vida, recebemos a cultura e o conhecimento dos nossos povos originários. Trazer um pouco de saúde e prevenção é muito satisfatório”, sintetizou.

A Major Médica Silvana Cavalcante, que serve no Exército, falou com entusiasmo das missões indígenas. Ela participou da Missão Guamá-Tocantins. “É uma experiência extremamente enriquecedora. Todo o médico recém formado tinha que ter uma vivência como essa”, considerou.

Primeira missão
A primeira missão indígena de 2020 no contexto da Operação Covid-19 de mitigação aos efeitos do novo coronavírus foi em maio. Nessa ação, dez profissionais de saúde do Hospital Militar de Área de Brasília seguiram para dois hospitais militares conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) de São Gabriel da Cachoeira, município do extremo oeste do Amazonas. Na ocasião, além dos profissionais de saúde, foram transportados aparelhos para apoio aos tratamentos e equipamentos de proteção individual (EPIs), disponibilizados pelo Ministério da Saúde.

Por Mariana Alvarenga
Fotos: Divulgação MD

Leonardo Dias
Sobre Leonardo Dias 4 Artigos
Empresário, Jornalista, Engenheiro, Especialista em Telecomunicações e Redes de Dados.