Forum Base Militar Web Magazine

Bem-vindo: Ter Nov 12, 2019 9:18 pm

Todos os horários são




Criar novo tópico Responder  [ Array ]  Ir para página Anterior  1 ... 4, 5, 6, 7, 8, 9  Próximo
Autor Mensagem
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 9:57 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Abr 17, 2009 2:54 pm
Mensagens: 2245
Essa empresa é estratégica uma turbina é muito difícil de ser feita são poucos no mundo que fazem

_________________
"Uma nação que confia em seus direitos, em vez de confiar em seus soldados, engana-se a si mesma e prepara a sua própria queda." (Rui Barbosa)


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 2:33 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Nov 01, 2009 1:14 am
Mensagens: 836
Localização: São Paulo / Warren, MI
ART escreveu:
Essa empresa é estratégica uma turbina é muito difícil de ser feita são poucos no mundo que fazem


Pois é... Nós, simples mortais, compreendemos isso. Apenas não entendo por que razão nossos governantes não compreendem a importância de se desenvolver tecnologias avançadas. Parece que seremos eternos exportadores de commodities...

_________________
Todos os cogumelos são comestíveis. Alguns, apenas uma vez.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 2:46 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Dez 11, 2013 10:29 pm
Mensagens: 1885
Localização: Hell de Janeiro
Carlito escreveu:
ART escreveu:
Essa empresa é estratégica uma turbina é muito difícil de ser feita são poucos no mundo que fazem


Pois é... Nós, simples mortais, compreendemos isso. Apenas não entendo por que razão nossos governantes não compreendem a importância de se desenvolver tecnologias avançadas. Parece que seremos eternos exportadores de commodities...


Mas a intenção é justamente essa, veja que diminuiu, nos últimos anos, a participação da Indústria no PIB brasileiro. O que se projeta para o Brasil é exatamente a exportação de soja, petróleo (????) e derivados do minério de ferro.

É triste saber que o Brasil já teve um protótipo de turbina para aeronaves que não seguiu adiante, possivelmente, por desinteresse governamental, enquanto "artistas" diversos recebem milhões em verba para suas atividades.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 3:07 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Seg Jan 08, 2007 5:22 pm
Mensagens: 9197
Localização: Brasília - DF, Brasil
Tem alguma história (ou estória) mal contada nisso. Primeiro, se será usada no AV/MT-300 ela está, de uma forma ou outra sendo financiada pelo GF/MD; Segundo, se já tem uma outra turbina recebendo verba, é porque esta deve ter se mostrado melhor e mais interessante do que essa da Polaris, se não for esse o caso, deve-se investigar o motivo, visto que diversos projetos, inclusive até redundantes e que a própria FAB não está apoiando, como é o caso do avião da Novaer com o seu T-Xc, mesmo assim está sendo apoiado pela FINEP. Ninguém em sã consciência ignoraria um projeto assim do nada, sempre tem um motivo e com certeza não para continuarmos sendo meros exportadores de commodities.

Até mais!!! ;)


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 4:00 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Mar 20, 2011 5:35 pm
Mensagens: 1122
Meus humildes dois centavos:
Creio que a turbina da Polaris serve para uma finalidade, e a outra turbina (Do ITA?) servirá para outra finalidade. Será que tá rolando engenharia reversa e teremos uma cópia da GE J85? Ou, mais ufanista ainda, uma cópia da Snecma M53, que poderia equipar o FS-2020 no futuro?

_________________
“Para saber quem domina o mundo, você deve saber qual grupo não se pode criticar” - Kevin Alfred Strom
"Somente os ingênuos ou ignorantes acham que o Brasil não possui inimigos" - Batman


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 5:21 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Jan 01, 2010 9:52 pm
Mensagens: 9235
Fiz uma comparação simples e sem pretensões, e parece que a Polaris está no caminho certo para um propulsor de mísseis.
Vamos esperar os testes e certificação para esta finalidade, claro que é muito mais simples a certificação de um propulsor de mísseis ou veículo não tripulado do que uma aeronave comercial ou executiva, estão no caminho certo por começarem com não tripulados.

Harpoon - Turbojet Teledyne CAE J402 - 660 lbf com 46 kg de peso
Imagemwikipedia

AV/MT-300 - Turbojato Polaris TJ1000 - faixa de 1000 lbs com 70 kg de peso.
ImagemCavok


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 9:32 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Dez 11, 2013 10:29 pm
Mensagens: 1885
Localização: Hell de Janeiro
Wellington Góes escreveu:
Tem alguma história (ou estória) mal contada nisso. Primeiro, se será usada no AV/MT-300 ela está, de uma forma ou outra sendo financiada pelo GF/MD; Segundo, se já tem uma outra turbina recebendo verba, é porque esta deve ter se mostrado melhor e mais interessante do que essa da Polaris, se não for esse o caso, deve-se investigar o motivo, visto que diversos projetos, inclusive até redundantes e que a própria FAB não está apoiando, como é o caso do avião da Novaer com o seu T-Xc, mesmo assim está sendo apoiado pela FINEP. Ninguém em sã consciência ignoraria um projeto assim do nada, sempre tem um motivo e com certeza não para continuarmos sendo meros exportadores de commodities.

Até mais!!! ;)


Wellington, a exportação de commodities é incentivada no Brasil porque é a mesma que mantém a balança comercial estável. Curiosamente a China é o destino principal das exportações desta classe e também é a nação mais cortejada para se tornar o principal parceiro comercial brasileiro. E esse interesse maior nos commodities reflete no desenvolvimento industrial e tecnológico de patente nacional (excetuando-se as multinacionais).

Ligue um ponto a outro.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 01, 2014 10:23 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Seg Jan 08, 2007 5:22 pm
Mensagens: 9197
Localização: Brasília - DF, Brasil
Danzig, continua não tendo nada haver. Uma coisa é termos aproveitado a onda e termos exportado mais commodities do anteriormente, outra coisa é termos incentivado isso em detrimento a nossa industrialização, concomitante a isso o fato de estarmos ou não financiando mais de um produtor/desenvolver de tecnologia aeronáutica, nesse caso de motores. Em todo caso não darei sequencia a essa discussão, pois em nada agregará ao debate.

Até mais!!! ;)


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Seg Jan 06, 2014 2:11 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Fev 18, 2010 6:44 pm
Mensagens: 958
Algumas dúvidas :

E quanto a TAPP-5000 ( COM 5.000N DE EMPUXO , CREIO EU ) , que está sendo desenvolvida pela empresa TGM Turbinas e DCTA ?
Onde será empregada essa nova turbina nacional ?
Será que essas turbinas serão utilizadas em um VANT-C ( VANT DE COMBATE ) semelhante ao GLOBAL HAWLK ; PHANTON RAY etc..
Ou será que quando desenvolvermos nossa nova variante do caça Suéco GRIPEN , iremos dota-ló de um turbo reator nacional ???
Pois até agora , pelas minhas contas já são 3 empresa nacionais que fabricam turbinas ( AVIBRÁS ; POLARIS ; TGM TURBINAS ) .


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Seg Jan 06, 2014 3:19 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Fev 18, 2010 6:44 pm
Mensagens: 958
Brasil entra para o clube dos fabricantes de turbinas aéreas
Imagem

EMPRESA NACIONAL SE TORNA A PRIMEIRA DA AMÉRICA LATINA A PRODUZIR PROPULSORES AERONÁUTICOS. MODELO DE PEQUENO PORTE, PARA USO EM MÍSSEIS E AVIÕES NÃO TRIPULADOS, DEVE SER EXPORTADO PARA CINCO PAÍSES DA REGIÃO

Fabricar turbinas aeronáuticas é coisa pra gente grande. No mundo todo, contam-se nos dedos das duas mãos as empresas capazes de produzir essas máquinas.
Pois em 2013 esse clube pra lá de restrito ganhou mais um sócio, a brasileira Polaris. Fundada em 1999 por engenheiros vindos da Embraer, a companhia localizada em São José dos Campos, no interior de São Paulo, criou a primeira turbina aeronáutica brasileira a ser fabricada em série.
Batizada de TJ-1000, trata-se de um modelo de pequeno porte, para uso em mísseis ou em aviões não tripulados, os chamados drones – embora seja descendente de uma turbina de grande porte, hoje parada no estágio de protótipo por falta de verbas para certificação.
Embora seja um tradicional fabricante de aviões, sistemas e componentes aeronáuticos, o Brasil sempre se ressentiu da dependência estrangeira para obtenção de turbinas.
Em entrevista à Época Negócios, Luis Klein, diretor da Polaris, explica a importância da fabricação nacional do produto, relata como foi a criação do projeto e critica a falta de apoio governamental à empresa.

Como foi o desenvolvimento da turbina?

Desde que a empresa surgiu nós trabalhamos nessa área de turbinas e geradores. Começamos com turbinas pequenas, até chegarmos a um modelo aeronáutico de grande porte, como aqueles usados nos grandes aviões. Foi o primeiro protótipo nacional de uma turbina desse tipo, mas não saiu desse estágio. Hoje ela está encostada, parada.
O problema é que para que essa turbina possa ser colocada numa aeronave, ela precisa de uma certificação internacional, que custa US$ 80 milhões, além de uma série grande de outros ensaios e testes. Todo o processo custa muito caro e leva cinco anos.
Então resolvemos criar outra turbina, menor, que pudesse ser usada em mísseis ou em drones, conhecidos oficialmente como VANTs (Veículos Aéreos Não-Tripulados).
Como não tem tripulação, ela não precisa ser certificada. A incorporação e a venda do produto são muito mais rápidas. Esse foi o modelo que estamos produzindo, a TJ-1000, a primeira turbina aeronáutica a entrar em produção efetiva na América Latina.

Quanto tempo levou esse processo? Quanto foi investido?

O processo todo de desenvolvimento levou dois anos e foram investidos R$ 4,5 milhões, vindos de um investimento da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). Foi um produto desenvolvido especificamente para uma indústria de armamentos (a Avibrás, de São José dos Campos, em São Paulo) que fabrica veículos lançadores de foguetes e mísseis para o exército brasileiro. As turbinas serão utilizadas num desses mísseis (o AVMT-300 Matador, um míssil tático de cruzeiro). A série inicial de produção, de 11 turbinas, já foi entregue para a Avibrás.

Qual é o tamanho do mercado nacional para a turbina? É puramente militar ou também tem aplicação civil?

O mercado de aviões não tripulados vai aumentar muito nos próximos anos, principalmente no campo civil. A Amazon, por exemplo, está testando protótipos de drones para fazerem entregas na casa dos clientes. Existem estudos que mostram uma demanda de 15 mil unidades só dentro dos EUA. No futuro, pode-se imaginar um monte de outras aplicações. Não faz sentido encher um avião de encomendas do Correio, levar até Fortaleza e daí despachar uma van para uma cidade do interior do Ceará onde vai entregar só um pacote. O veículo não tripulado pode fazer isso muito melhor.
Essa utilização não é apenas para o comércio, mas pode chegar também a outros setores como a agricultura. Para que você vai contratar um piloto e comprar um avião agrícola para fazer pulverização de campos, quando você pode ter um VANT, muito mais barato? Você baixa as coordenadas e as rotas da sua fazenda no Google e calcula a altura e a quantidade de defensivo que serão necessárias. Daí basta apertar o enter e o drone faz tudo sozinho. É infinitamente mais barato. Sem contar a parte de vigilância e segurança.

Qual a importância de desenvolver uma turbina dessas no Brasil?

Os fabricantes de turbinas são um clube muito fechado, formado apenas por cinco empresas gigantes. Então dominar essa tecnologia é extremamente importante para o Brasil. No caso de modelos desse tipo, com essas dimensões, é ainda mais raro. Elas só são fabricadas hoje por uma única empresa, a francesa Turbomeca. Outras empresas não se interessam por uma turbina desse tamanho (1,20 metro de comprimento, 34 cm de diâmetro e 70 quilos de peso). Não faz sentido para a Boeing ou para a Rolls-Royce, por exemplo, que tem seu foco no mercado de turbinas de grande porte. Mas acho que o governo não percebeu a importância disso.

Por que?

O governo brasileiro ficou de apoiar a gente, mas nada foi feito. Recentemente estivemos numa feira de armamentos e convidamos várias autoridades, como o Celso Amorim (Ministro da Defesa) e o Saito (Juniti Saito, comandante da aeronáutica). Eles passaram pela feira e estiveram a 15 metros do nosso estande, mas não se dignaram a ir até lá.
Recentemente o Brasil assinou o contrato para o primeiro avião a ser fabricado 100% dentro da Unasul, mas como não temos turbina por aqui eles querem usar um modelo russo, quando poderiam usar a nossa turbina.
Tanto o desenho quanto os componentes e a equipe são 100% brasileiros. Não existe um único parafuso que tenha vindo do exterior. Olha, é um absurdo. Tem uma turbina recebendo uma verba mensal enorme para ser desenvolvida dentro do ITA (Instituto de Tecnologia da Aeronáutica), enquanto nós, que temos o modelo pronto, somos solenemente ignorados.

Algum outro país da América Latina já tinha conseguido fabricar um produto desses?

Não, somos os primeiros. Tanto que já temos governos de cinco países da região interessados na nossa turbina. Não posso dizer quais são, mas já temos quase fechadas a exportação de 100 unidades, também para uso em mísseis. Já o governo do Brasil não quer escutar a gente. Por aqui o exército comprou a tecnologia do míssil, mas não a da turbina.

Fonte: Época Negócios

Em tempo, leia também:

“Polaris e ITA concluem protótipo de turbina para aeronaves civis”

O Brasil já está migrando para o rol de países que desenvolvem e certificam turbinas Aeronáuticas. O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em conjunto com a empresa Polaris Tecnologia, finalizou o desenvolvimento do primeiro protótipo de umturboreator de 350 quilos de empuxo, equivalente a uma potência de 1300 HP. Agora os pesquisadores trabalham no desenvolvimento de um motor turboélice de 1000 HP para equipar veículos aéreos não tripulados.

Um dos méritos desse projeto, segundo o diretor de Empreendimentos do Comando-geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), brigadeiro Venâncio Alvarenga Gomes, foi descobrir as competências que o Brasil possui para fabricar partes e componentes da turbina no próprio país. “Atividades como a usinagem do compressor, ignitor a plasma, a fusão do disco da turbina em liga especial e o balanceamento exigido pelas normas internacionais, são alguns dos exemplos dessa competência adquirida pelas indústrias brasileiras”, explicou.

Trata-se de um projeto estratégico, na medida em que existem hoje apenas cinco países no mundo com o domínio da tecnologia de desenvolvimento e certificação de motores aeronáuticos. “Numa segunda etapa, a turbina, batizada de TR3500, poderá equipar futuros projetos de aeronaves civis”, disse Alberto Carlos Pereira Filho, diretor da empresa Polaris.

As turbinas que equipam as aeronaves da Embraer são fornecidas por empresas estrangeiras, caso da canadense Pratt & Whitney(linha de jatos executivos eSupertucano), a americana GE (jatos 170 e 190) e a inglesa Rolls Royce (ERJ 145, Legacy 600). Os motores representam em torno de 20% a 30% do valor de uma aeronave.

“A TR3500 demonstra que podemos progredir rápido. Diferentemente do que ocorreu com relação ao desenvolvimento de turbinas em outros países, não precisaremos de décadas para atingir um produto autóctone e competitivo”, comenta Homero Santiago Maciel, coordenador geral do projeto no ITA.

O projeto do motor aeronáutico brasileiro teve início em 2003 com o desenvolvimento de uma turbina a gás para a Petrobras. “O objetivo desse projeto era dominar o processo de fabricação da câmara de combustão, a vibração do motor e o desenvolvimento do sistema de controle da turbina”, explica. A Petrobras apoiou a ideia e investiu R$ 850 mil na sua execução.

Na fase de preparação do protótipo da turbina Aeronáutica, foram investidos R$ 3 milhões, dos quais R$ 1,7 milhão através da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep); R$ 750 mil do ITA e R$ 550 mil da Polaris. “A próxima etapa do projeto, avaliada em R$ 116 milhões, prevê a construção de 11 laboratórios avançados na área de testes para turbinas, infraestrutura necessária para garantir o processo de homologação dos motores”. Segundo o diretor da Polaris, esse tipo de laboratório ainda não existe no Brasil. Os recursos estão sendo negociados com a Finep.

COMENTÁRIOS :
As que condições expomos nossas industrias de defesa, há interesse externo de 100 turbinas , mas não há interesse interno de mesma ou maiores quantidades.
E pra piorar ( MAIS AINDA ), o próprio ministro da defesa e da FAB , ignoram essa empresa extremamente estratégica para o país ; tremenda vergonha !
Agora, garante que se chegar algum estrangeiro " ENROLANDO A LINGUÁ ", e oferecendo uma " batata voadora " , logo nosso ministro e militares compram ( COM UM BELO ABANO DE RABOS , E UM SORRISO MAROTO NA CARA ).
outro disparate será apresentado a baixo
Desde que a empresa surgiu nós trabalhamos nessa área de turbinas e geradores. Começamos com turbinas pequenas, até chegarmos a um modelo aeronáutico de grande porte, como aqueles usados nos grandes aviões. Foi o primeiro protótipo nacional de uma turbina desse tipo, mas não saiu desse estágio. Hoje ela está encostada, parada.

Então temos turbinas com capacidade para locomover aeronaves , mas não temos o dinheiro para certifica-lás .
Cadê o orgulho nacional na montagem de aviões para dá o apoio ? ( EMBRAER ).
Porque o MD, via FAB; MCTI etc.. não investem nesse produto??
Esse realmente é o país da conversinha fiada, esse produto só receberá aportes quando a empresa for adquirida por alguma multi nacional estrangeira , como aconteceu com muitas outras
ex empresas nacionais ( ARES; ORBSAT ; ONIMISYS ; ÓPTOVAC etc... ).
Vergonha, este é o único sentimento que tenho .


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 08, 2014 3:03 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Mar 20, 2011 5:35 pm
Mensagens: 1122
foxtrot escreveu:
Algumas dúvidas :

E quanto a TAPP-5000 ( COM 5.000N DE EMPUXO , CREIO EU ) , que está sendo desenvolvida pela empresa TGM Turbinas e DCTA ?
Onde será empregada essa nova turbina nacional ?
Será que essas turbinas serão utilizadas em um VANT-C ( VANT DE COMBATE ) semelhante ao GLOBAL HAWLK ; PHANTON RAY etc..
Ou será que quando desenvolvermos nossa nova variante do caça Suéco GRIPEN , iremos dota-ló de um turbo reator nacional ???
Pois até agora , pelas minhas contas já são 3 empresa nacionais que fabricam turbinas ( AVIBRÁS ; POLARIS ; TGM TURBINAS ) .

5000 N não são 5000 lbs. De um a outro ainda vai um longo caminho que precisa ser agora trilhado com o máximo de cuidado.

Para o Gripen Brasileiro, ainda vamos de turbina estrangeira, mas é capaz de um possível jato treinador brasileiro ser equipado com turbina nacional, tão logo ela esteja desenvolvida. E o FX-BR, o caça de projeto nacional, se não vier com uma turbina nacional, pelo menos será uma licenciada.

Capaz de conseguirmos antes dos indianos.

_________________
“Para saber quem domina o mundo, você deve saber qual grupo não se pode criticar” - Kevin Alfred Strom
"Somente os ingênuos ou ignorantes acham que o Brasil não possui inimigos" - Batman


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 08, 2014 2:50 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Jan 01, 2010 9:52 pm
Mensagens: 9235
Snowmeow escreveu:
foxtrot escreveu:
Algumas dúvidas :

E quanto a TAPP-5000 ( COM 5.000N DE EMPUXO , CREIO EU ) , que está sendo desenvolvida pela empresa TGM Turbinas e DCTA ?
Onde será empregada essa nova turbina nacional ?
Será que essas turbinas serão utilizadas em um VANT-C ( VANT DE COMBATE ) semelhante ao GLOBAL HAWLK ; PHANTON RAY etc..
Ou será que quando desenvolvermos nossa nova variante do caça Suéco GRIPEN , iremos dota-ló de um turbo reator nacional ???
Pois até agora , pelas minhas contas já são 3 empresa nacionais que fabricam turbinas ( AVIBRÁS ; POLARIS ; TGM TURBINAS ) .

5000 N não são 5000 lbs. De um a outro ainda vai um longo caminho que precisa ser agora trilhado com o máximo de cuidado.

Para o Gripen Brasileiro, ainda vamos de turbina estrangeira, mas é capaz de um possível jato treinador brasileiro ser equipado com turbina nacional, tão logo ela esteja desenvolvida. E o FX-BR, o caça de projeto nacional, se não vier com uma turbina nacional, pelo menos será uma licenciada.

Capaz de conseguirmos antes dos indianos.

5000 Newton [N] = 1124 Libra-força [lbf]

fonte: http://www.converter-unidades.info/conv ... tipo=forca


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Jan 08, 2014 5:59 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Visitar website do usuário  Perfil

Registrado em: Sáb Jun 13, 2009 10:48 pm
Mensagens: 1032
Localização: PARNAMIRIM - RN
wstrobel escreveu:
Snowmeow escreveu:
foxtrot escreveu:
Algumas dúvidas :

E quanto a TAPP-5000 ( COM 5.000N DE EMPUXO , CREIO EU ) , que está sendo desenvolvida pela empresa TGM Turbinas e DCTA ?
Onde será empregada essa nova turbina nacional ?
Será que essas turbinas serão utilizadas em um VANT-C ( VANT DE COMBATE ) semelhante ao GLOBAL HAWLK ; PHANTON RAY etc..
Ou será que quando desenvolvermos nossa nova variante do caça Suéco GRIPEN , iremos dota-ló de um turbo reator nacional ???
Pois até agora , pelas minhas contas já são 3 empresa nacionais que fabricam turbinas ( AVIBRÁS ; POLARIS ; TGM TURBINAS ) .

5000 N não são 5000 lbs. De um a outro ainda vai um longo caminho que precisa ser agora trilhado com o máximo de cuidado.

Para o Gripen Brasileiro, ainda vamos de turbina estrangeira, mas é capaz de um possível jato treinador brasileiro ser equipado com turbina nacional, tão logo ela esteja desenvolvida. E o FX-BR, o caça de projeto nacional, se não vier com uma turbina nacional, pelo menos será uma licenciada.

Capaz de conseguirmos antes dos indianos.

5000 Newton [N] = 1124 Libra-força [lbf]

fonte: http://www.converter-unidades.info/conv ... tipo=forca


Salvo engano, a General Electric J85-GE-21, do nosso F5, tem 5.000 lb (22.241,11 N)

_________________
Imagem

FOTOS LIVRES PARA TODO TIPO DE USO: Faça download em www.fotoslivres.com


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Fev 19, 2014 1:03 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Seg Jan 08, 2007 5:22 pm
Mensagens: 9197
Localização: Brasília - DF, Brasil
Acho que, a partir dessa turbina, poderemos desenvolver mísseis nos moldes ao Meteor (um míssil BVR movido a turbojato).

Citação:
Empresa brasileira vai apresentar nova turbina para mísseis de pequeno porte nos EUA

Guilherme Wiltgen
18/02/2014


Imagem

A Polaris, sediada em São José dos Campos, desenvolveu uma microturbina a gás de apenas 160 mm de diâmetro, gerando 200 lbf de empuxo, pesando apenas 10Kgs e até 300km de alcance. Esta Pequena Turbina é capaz de produzir esse empuxo com baixo consumo de combustível, o que permitirá fabricar mísseis pequenos, baratos e precisos, com alcance elevado. O novo motor, denominado TJ200, deverá ser apresentado nos EUA em fevereiro em um evento de fornecedores do exército americano e será apresentado ao público na FIDAE 2014 – Feria Internacional del Aire y del Espacio no Chile, nos dias 25 a 28 de março. A empresa levará dois exemplares para expor a inovação tecnológica e apresentar aos seus potenciais clientes.

Turborreator TJ200

No caso da Polaris, isso só foi possível, porque a empresa desenvolveu, com apoio da FINEP, um compressor inovador, tipo axial, denominado TwinBlade, capaz de gerar altas taxas de compressão com menos estágios – O novo compressor encontra-se em fase de testes em um motor Polaris TJ1200, de 1200 lbf de empuxo. A nova tecnologia de compressor axial é de propriedade da Polaris e é uma inovação mundial em Turbinas. O compressor axial utilizado no projeto desse turbojato é transônico e é capaz de gerar uma razoável taxa de compressão, reduzindo consideravelmente o consumo de combustível. Nesses tipos de pequenos motores, o gargalo tecnológico é a eficiência, o que implica em menor consumo de combustível para gerar o empuxo adequado.

Turbojatos desse porte, geralmente são fabricados com compressor centrífugo, o que compromete o diâmetro, para o empuxo desejado, não permitindo seu uso no setor de defesa. Com a tecnologia do TJ200, engenheiros da Polaris afirmam que empresas do setor poderão construir mísseis de pequeno calibre, que podem atingir alvos a centenas de quilômetros de distancia. Devido ao seu porte pequeno, esses mísseis, mais baratos, têm aplicações em operações cirúrgicas para alvos predefinidos ou mesmo em missões de saturamento de área com maior numero de unidades disparadas.

Com o sucesso desse motor, a Polaris se credencia como a primeira empresa no mundo a produzir turbojatos eficientes de pequeno porte, abrindo uma porta para os fabricantes de foguetes de baixo calibre migrarem para a produção de mísseis, de baixo custo, para missões de longo alcance.

A Polaris é uma empresa de base tecnológica, especializada no desenvolvimento e fabricação de turbinas a gás. A empresa já produziu 14 patentes tecnológicas e fabricou turbinas a gás de vários tipos, de compressores centrífugos a compressores axiais; com câmara de combustão de tipo anular ou caneco. Atualmente a empresa, negocia a participação de investidores nacionais e estrangeiros para alçar vôos mais altos, com maior investimento em seus projetos, visando atender a demanda e o desenvolvimento de turbinas mais arrojadas. Seu maior objetivo é produzir turbinas a gás para a geração de energia elétrica.

http://www.defesaaereanaval.com.br/?p=37547


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Protótipo de turbina nacional
MensagemEnviado: Qua Fev 19, 2014 12:29 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Ago 21, 2009 6:03 pm
Mensagens: 1324
Wellington Góes escreveu:
Acho que, a partir dessa turbina, poderemos desenvolver mísseis nos moldes ao Meteor (um míssil BVR movido a turbojato).

Citação:
Empresa brasileira vai apresentar nova turbina para mísseis de pequeno porte nos EUA

Guilherme Wiltgen
18/02/2014


Imagem

A Polaris, sediada em São José dos Campos, desenvolveu uma microturbina a gás de apenas 160 mm de diâmetro, gerando 200 lbf de empuxo, pesando apenas 10Kgs e até 300km de alcance. Esta Pequena Turbina é capaz de produzir esse empuxo com baixo consumo de combustível, o que permitirá fabricar mísseis pequenos, baratos e precisos, com alcance elevado. O novo motor, denominado TJ200, deverá ser apresentado nos EUA em fevereiro em um evento de fornecedores do exército americano e será apresentado ao público na FIDAE 2014 – Feria Internacional del Aire y del Espacio no Chile, nos dias 25 a 28 de março. A empresa levará dois exemplares para expor a inovação tecnológica e apresentar aos seus potenciais clientes.

Turborreator TJ200

No caso da Polaris, isso só foi possível, porque a empresa desenvolveu, com apoio da FINEP, um compressor inovador, tipo axial, denominado TwinBlade, capaz de gerar altas taxas de compressão com menos estágios – O novo compressor encontra-se em fase de testes em um motor Polaris TJ1200, de 1200 lbf de empuxo. A nova tecnologia de compressor axial é de propriedade da Polaris e é uma inovação mundial em Turbinas. O compressor axial utilizado no projeto desse turbojato é transônico e é capaz de gerar uma razoável taxa de compressão, reduzindo consideravelmente o consumo de combustível. Nesses tipos de pequenos motores, o gargalo tecnológico é a eficiência, o que implica em menor consumo de combustível para gerar o empuxo adequado.

Turbojatos desse porte, geralmente são fabricados com compressor centrífugo, o que compromete o diâmetro, para o empuxo desejado, não permitindo seu uso no setor de defesa. Com a tecnologia do TJ200, engenheiros da Polaris afirmam que empresas do setor poderão construir mísseis de pequeno calibre, que podem atingir alvos a centenas de quilômetros de distancia. Devido ao seu porte pequeno, esses mísseis, mais baratos, têm aplicações em operações cirúrgicas para alvos predefinidos ou mesmo em missões de saturamento de área com maior numero de unidades disparadas.

Com o sucesso desse motor, a Polaris se credencia como a primeira empresa no mundo a produzir turbojatos eficientes de pequeno porte, abrindo uma porta para os fabricantes de foguetes de baixo calibre migrarem para a produção de mísseis, de baixo custo, para missões de longo alcance.

A Polaris é uma empresa de base tecnológica, especializada no desenvolvimento e fabricação de turbinas a gás. A empresa já produziu 14 patentes tecnológicas e fabricou turbinas a gás de vários tipos, de compressores centrífugos a compressores axiais; com câmara de combustão de tipo anular ou caneco. Atualmente a empresa, negocia a participação de investidores nacionais e estrangeiros para alçar vôos mais altos, com maior investimento em seus projetos, visando atender a demanda e o desenvolvimento de turbinas mais arrojadas. Seu maior objetivo é produzir turbinas a gás para a geração de energia elétrica.

http://www.defesaaereanaval.com.br/?p=37547


Míssil BVR com motor turbo-jato? Me desculpe, mas isso não faz o sentido.


Voltar ao topo
 
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ Array ]  Ir para página Anterior  1 ... 4, 5, 6, 7, 8, 9  Próximo

Todos os horários são


Quem está online


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Ir para:  
Powered by phpBB © 2000, 2002, 2005, 2007 phpBB Group  
Design By Poker Bandits  
Traduzido por: Suporte phpBB Brasil