Forum Base Militar Web Magazine

Bem-vindo: Dom Dez 17, 2017 1:01 am

Todos os horários são




Criar novo tópico Este tópico está trancado. Você não pode responder ou editar mensagens.  [ Array ]  Ir para página 1, 2, 3, 4, 5 ... 136  Próximo
Autor Mensagem
 Título: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 9:34 am 
Offline
Moderador
Moderador
Avatar do usuário
 Visitar website do usuário  Perfil

Registrado em: Dom Dez 31, 2006 12:17 pm
Mensagens: 4813
Localização: Rio de Janeiro, Brasil
Senhores, por favor continuem o tema da "Vespona" aqui,

Grato

Hammer
Moderador

_________________
There are 10 kinds of people in this world, those who understand binary, and those who don't.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 10:56 am 
Offline
Moderador
Moderador
Avatar do usuário
 Visitar website do usuário  Perfil

Registrado em: Dom Dez 31, 2006 12:17 pm
Mensagens: 4813
Localização: Rio de Janeiro, Brasil
Achei este texto interessante, ele está neste tópico devido ao trecho em negrito, comentários?

[]s Hammer

Citação:
Aircraft
SubscribeYou are in: Home › Aircraft › News Article
DATE:03/08/10
SOURCE:Flight International
Japan looks to become military exporter
By Leithen Francis

Japan's government is examining whether to lift the lid on a decades-old ban on military exports.

The office of the prime minister has established a committee of high-ranking officials who are due to release by the end of the year the country's National Defence Programme Guidelines (NDPG), which will outline the policy stance on defence exports.

Japan's policy, "Three Principles on Arms Exports", has been in place since 1967 and effectively bans the export of Japanese military products, except for missile technology to the USA.


Japan is to phase out its decades-old F-4 fighters. Picture: Japan ministry of defence

The policy also effectively prevents Japan from participating in the joint development of military aircraft. This is because any products or parts that Japan develops for a military aircraft would have to be removed if the aircraft were to be exported. As a consequence, Japanese defence manufacturers are restricted to only serving the domestic market, which is proving to be too limiting.

Japan's defence budget is capped at 1% of GDP, and since the late 1980s, GDP growth has stagnated. Japan's government in recent years has also been reducing the defence budget, say ministry of defence officials, who estimate the defence budget now stands at 0.9% of GDP.

Manufacturers such as Kawasaki Heavy Industries and Mitsubishi Heavy Industries have been keen to grow their defence business and are lobbying for an easing of the "three principles policy". They regard participation in international defence programmes as the way forward.

Joint development of military aircraft is a growing trend in the industry, says a senior executive at one of Japan's aerospace manufacturing conglomerates, who cites the Lockheed Martin F-35 and the Eurofighter Typhoon as top examples of international co-operation.

If Japan is unable to participate in such programmes, it will be unable to gain access to leading technologies, adds the executive.


The acquisition of 213 Boeing F-15s over 20 years in small lots added to the cost. Picture: Japan ministry of defence

REPORT
The Japan Machinery Federation, which counts Ishikawajima-Harima Heavy Industries, KHI and MHI among its members, released a report in March recommending to government that the three principles policy be eased.

"The US and major European countries acquire advanced defence equipment through international development and production, including fighter and [military] transport aircraft," says the federation. "It is inefficient to develop and produce small quantities of sophisticated, expensive equipment autonomously and very difficult to acquire equipment with required performance levels in a timely and affordable manner."

Defence contractors have been attempting to meet the country's needs by developing military aircraft indigenously or through licensed production, the federation adds. "However, conditions of defence equipment development and production have significantly changed," it says, adding: "Japan's defence industries cannot provide effective defence equipment through indigenous efforts limited to an isolated defence market, or licensed production with restrictions on technology transfer."

The Democratic Party of Japan came to office in September 2009, ending 54 years of Liberal Democratic rule. The new government is becoming more open to the idea of easing the export ban, because the defence budget is constrained and the dual approach - of indigenous aircraft development and licensed production of foreign aircraft - is proving to be too costly. Poor procurement practices have exacerbated the problem.

In terms of indigenous aircraft, the ministry of defence has funded the ShinMaywa US-2 search and rescue aircraft, the Kawasaki XP-1 maritime patrol aircraft and the Kawasaki XC-2 military transport. But because Japanese military aircraft are built for the local military only and, in some instances, are niche products, local manufacturers are unable to produce enough units to achieve economies of scale.

ShinMaywa, for example, has delivered only four US-2s to the Japan Self-Defence Force and has only one aircraft on order, for delivery in 2012.

If Japanese manufacturers could export, it would increase production volumes and cut per unit costs. These savings could be passed on to the government through lower prices.

Japan's ministry of defence has also established a committee to examine "commercialisation of military aircraft", which means developing commercial variants. Some Japanese aircraft makers are already moving in this direction. ShinMaywa, for example, has a concept for a firefighting variant of its US-2. KHI is looking at developing a commercial cargo variant of its XC-2 military transport aircraft.

In terms of Japan's licensed production of foreign aircraft, this is expensive because Japanese manufacturers have to pay a licence fee. "We also have to train people and invest in equipment," says a senior executive at one of Japan's aerospace conglomerates.

Licensed production was popular in the past because it provided work to local industry, gave Japan the ability to maintain the aircraft and it was thought it would lead to technology transfer. But it is questionable how much technology is transferred under licencing deals and now that Japan's defence budget is constrained, cost is becoming an issue. T,he Mitsubishi F-2, for example, is a derivative of the Lockheed Martin F-16 and is more expensive than the F-16. The F-2 has a larger, concurred wing, but these design changes contributed to the higher costs. This aircraft was jointly developed with Lockheed, but Japan gained less in the way of technology transfer than it had hoped as US lawmakers placed restrictions to limit the transfer of technology.

The issue of costs came to a head again last year when the government decided to stop buying Boeing AH-64D Apache attack helicopters assembled by Fuji Heavy Industries, citing the high costs involved: each helicopter had cost a lot more than had originally been forecast.

Japan's system of "cost-plus contracts" was a major factor in the price escalation. "A large proportion of Japan's defence budget is spent via cost-plus contracts that actually rewards inefficiency," says the American Chamber of Commerce in Japan. The chamber, in its report into Japanese government procurement, recommends "adoption of a more fixed-price, performance-based contracts, which will provide incentives to the industry to cut costs."

In the case of the Apache helicopters, FHI has responded to the order cancellation by suing the government, putting an end to the cosy relationship that once existed between the government and Japan's aerospace industry. FHI is claiming it deserves damages because it has invested millions in the Apache production line and already paid a licence fee.

This highlights another issue with Japan's procurement system. "The payment schedules, used by the ministry of defence for production programmes, are not realistic for modern manufacturing," says the American Chamber of Commerce in Japan. "While the standard payment is weighed toward the end of the programme, most production programmes typically encounter greater costs earlier," it says. "This increases financing costs to the companies, which must subsequently add costs to recoup additional costs."

SMALL LOTS
Payment is small upfront because the government procures aircraft in small lots, one year at a time in keeping with the country's budget process. The explanation for this is that the government is unable to commit to spending beyond the next budget.

But buying aircraft piecemeal makes the overall purchase more expensive. The acquisition, for example, of 213 Boeing F-15 fighters over 20 years of single-year, small lots, greatly added to the cost, says the chamber.

The chamber also cites the example of the Maritime Self-Defence Force buying two Aegis missile defence systems for about the same price that South Korea paid for three. "Japan paid a large premium to buy in two separate contracts rather than group [the deal] together in a single contract," it adds.

If Japan were to decide that it wanted to participate in international military programmes, it would have some leverage because its is a major customer.

The government is preparing to issue a request for proposals for 40-50 aircraft for delivery from 2015 under the FX programme. There is also the follow-on FXX programme, a larger requirement for more than 100 fighters to replace some of the air force's older F-15s.

A number of aircraft makers say they are open to having Japan as a joint development partner if the country eases its three principles policy.

Japan has already proved itself to be a worthy partner in the commercial aircraft manufacturing industry - virtually all commercial aircraft have a part made in Japan. If Japan does ease its "three principles" policy, then there is no doubt companies such as MHI and KHI could also become major suppliers to defence manufacturers.

_________________
There are 10 kinds of people in this world, those who understand binary, and those who don't.


Voltar ao topo
 
 Título: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 11:12 am 
Offline
Intermediário
Intermediário
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Dez 25, 2008 6:23 pm
Mensagens: 132
Localização: Curitiba
:arrow: o mais do mesmo.: Restrições, e .."viram que acabaram não recebendo a tecnologia prometida, e (ou) adquirida.."
sensação de déjà vu fenomenal.
36 unidades não é suficiente nem pra aceitar cheque pré-datado. Pimentel está agora, participando da compra, e os EUA nunca se sentiram tão perto de colocar mais 30 anos de "freio". Temos uma senhora que realmente vÊ aspectos técnicos, se informa e tal, mas não falaram pra ela o C.V. do fornecedor do norte.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 11:44 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Mai 20, 2009 3:49 pm
Mensagens: 1056
Citação:
Acredito que isto é uma ótima notícia, a mulher quer terminar o FX2(aleluia)!!!
Sou torcedor fervoroso do Gripen, mas que venham os hornets, que serão muito bem recebidos.

Cmte. Fred, há algum tempo atrás você disse que o país não tinha dinheiro para operar caças, problemas com impostos etc.
Mudou de idéia é?

abç.

kid.


Kid,

Infelizmente não mudei não... continuo achando que vai faltar grana. Por isso mesmo, melhor escolher um que caiba no bolso, do que um que promete que vai caber, mas vai precisar de subsídios (com tempo determinado) para isso...

_________________
"Quando estou voando... me sinto no céu!!."


Voltar ao topo
 
 Título: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 11:54 am 
Offline
Intermediário
Intermediário
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Dez 25, 2008 6:23 pm
Mensagens: 132
Localização: Curitiba
Citação:
Infelizmente não mudei não... continuo achando que vai faltar grana. Por isso mesmo, melhor escolher um que caiba no bolso, do que um que promete que vai caber, mas vai precisar de subsídios (com tempo determinado) para isso...


maais cabresto ainda. :(


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 12:07 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Ter Jan 12, 2010 1:42 am
Mensagens: 3007
Meus caros,

Eu confio (quase que) cegamente no Comando da Aeronáutica, na COPAC e na indústria.

Acho que a Presidenta também vai considerar muito estes pareceres.

De certa forma, isto me tranquiliza.

Abraços.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 8:44 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Nov 29, 2007 9:11 pm
Mensagens: 9903
Localização: Caxias do Sul - RS
O novo "SILENT HORNET" na Aero India 2011.....

Imagem

Imagem

....e o novo cockpit do mesmo, também na Aero India 2011.

Imagem

Fonte/Fotos : Blog do Poder Aéreo.
Sds.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 10:33 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Abr 02, 2008 5:32 pm
Mensagens: 3526
As armas da proposta americana:

Imagem

AIM-9M e AIM-120C-7

Imagem

GBU-31/32 JDAM

Imagem

AGM-154 JSOW

Imagem

AGM-88 HARM


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Qui Fev 10, 2011 10:50 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Jun 14, 2009 11:59 pm
Mensagens: 5835
Caro Arlsan,

Fiz questão de transferir este teu post para o "New" SH, somente para PARABENIZÁ-LO ... irretocável : :wink:

Citação:
Acho que a maioria dos que preferem a proposta Gripen NG, por exemplo eu, tiveram dúvidas e procuraram entender o processo. Isso muda totalmente a visão das coisas.
O problema é quando a gente escolhe a resposta antes de se fazer as perguntas.
Depois tem que escrever dissertações sem pé nem cabeça pra justificar o injustificável.
Até chegar ao extremo de dizer que não é preciso justificar nada. Soberba, loucura, desconexão entre opiniões e fatos.

Os critérios da escolha do F-X2 são:
Comerciais - (difícil bater os EUA - Boeing nessa área, mas a Suécia parece estar tentando, com boas condições de financiamento. A França vacilou na oportunidade que teve);
Técnicos - (quem entende disso é a FAB, especialmente a COPAC. O Rafale, aparentemente, não se saiu melhor que os outros);
Operacionais - (SH está completo e é provado em combate e a ponta de lança da Marinha mais poderosa do mundo);
Logísticos - (SH tem escala muito maior do que os outros concorrentes);
Compensação Comercial (Offset), industrial e tecnológica - Pelo que tem sido divulgado a proposta sueca agrega mais investimentos no Brasil, mas é preciso consultar outras áreas do governo, especialmente MDIC;
Transferência de Tecnologia - Parece que a proposta NG é a preferida pela COPAC e pela indústria.

Por que escolher o Rafale?
"Ah! Ele não venceu em nada, mas foi a proposta mais consistente."
É... Consistentemente ruim.
As vantagens estratégicas pregadas para vender o avião francês foram 'relativizadas' pelas próprias atitudes da França e pelas revelações do Wikileaks. Depois reclamam de coleira e falam que não tem problema operar o Rafale porque tem subsídio por 10 anos.
A vantagem, então, não pode ser políticamente objetiva nem relativa a embargos.
Tem que vir de outro lugar.
Deve haver alguma vantagem política difusa que só os ideólogos do governo passado conseguiram enxergar.
Fora a soberba, o Rafale não tem muita vantagem sobre os outros.

_________________
[] Spock

Os Estados não se defendem exigindo explicações, pedidos de desculpas ou com discursos na ONU.

“Quando encontrar um espadachim, saque da espada: não recite poemas para quem não é poeta”


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 12:21 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Jun 14, 2009 11:59 pm
Mensagens: 5835
O SILENT HORNET vai se tornando uma REALIDADE ... quem sabe também aqui no Brasil :

http://www.youtube.com/watch?v=lE3h8yIm ... r_embedded

Excelente vídeo !

Saudações
Spock

_________________
[] Spock

Os Estados não se defendem exigindo explicações, pedidos de desculpas ou com discursos na ONU.

“Quando encontrar um espadachim, saque da espada: não recite poemas para quem não é poeta”


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 2:03 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Ter Jan 12, 2010 1:42 am
Mensagens: 3007
Meus caros,

Com o Super Hornet, teremos uma excelente ferramenta de dissuasão

a serviço de nossa defesa. Uns 60 SH nos fariam muito bem.

Mas o que definirá uma boa/má aquisição será o contrato e os acordos.

Se o Brasil souber negociar bom contrato e bons acordos, o SH poderá

ser uma excelente aquisição e nos deixar numa posição privilegiada na AS.

Ao adotar o SH a gente só não pode 'ficar de mal' com os americanos.

Abraços.

Imagem


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 9:43 pm 
Juliano Silva Wagner escreveu:
Citação:
Infelizmente não mudei não... continuo achando que vai faltar grana. Por isso mesmo, melhor escolher um que caiba no bolso, do que um que promete que vai caber, mas vai precisar de subsídios (com tempo determinado) para isso...


maais cabresto ainda. :(


É incririvel como algumas pessoas compram asneiras por verdades......um dia vão ver a luz.....claro om Rafale não tem coleiras....

Grande abraço


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 10:47 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Jun 14, 2009 11:59 pm
Mensagens: 5835
Citação:
Para colunista, Boeing sobe e Jobim cai
11 de fevereiro de 2011, em Opinião, Política, por Guilherme Poggio

Cláudio Humberto

O governo brasileiro tenta vincular a compra de aviões de combate para a FAB ao acesso de produtos do País a mercados internacionais. O governo Barack Obama recebeu a sinalização de que o Brasil pode até optar pelos caças F-18 Super Hornet, produzidos pela Boeing, mas em troca da eliminação de barreiras para produtos como o etanol, no mercado americano. Sem abdicar, claro, da cessão de tecnologia.

Abrindo caminho

O primeiro americano a perceber as chances de fechar negócio com o Brasil foi o senador John McCain, que veio fazer lobby pelos F-18.

Sinal claro

Há dias, o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner, recebeu de Dilma sinais do seu interesse em se aproximar do governo Obama.

Xa comigo

Para adotar nova estratégia na questão dos caças, antes Dilma teve de demover Lula, que assumiu compromissos com os Rafale franceses.

Um sobe, outro cai

O ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento) tem voz ativa na nova estratégia para a compra dos caças; Nelson Jobim (Defesa), não.

Marca do pênalti

Se o critério do jantar que Dilma ofereceu a Lula foi convidar ministros mantidos nos cargos a pedido dele, sobrou um: Nelson Jobim (Defesa), que jantou em casa desconfiando de que não tem futuro no governo.

FONTE: Tribuna do Norte

Leia mais (Read More): Poder Aéreo
:shock:

_________________
[] Spock

Os Estados não se defendem exigindo explicações, pedidos de desculpas ou com discursos na ONU.

“Quando encontrar um espadachim, saque da espada: não recite poemas para quem não é poeta”


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 10:52 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Jun 14, 2009 11:59 pm
Mensagens: 5835
Citação:
Que é que há, ‘velhinho’? Há encomendas de F/A-18!
11 de fevereiro de 2011, em Indústria Aeroespacial, Noticiário Internacional, por Nunão

Imagem
Reportagem do jornal californiano LA Times destaca que, com atrasos no F-35, o “velho” F/A-18 continua com encomendas do Pentágono, beneficiando trabalhadores daquele estado norte-americano

O F/A-18, presente nos convoos dos navios aeródromo dos EUA há décadas, é beneficiado por atrasos do seu substituto, o F-35 Joint Strike Fighter. O Pentágono continua encomendando mais F/A-18, o que é uma boa notícia para trabalhadores na Northrop e de centenas de outras empresas da Califórnia.

O som de metralhadora das rebitadeiras a ar comprimido é muito bem-vindo para os trabalhadores da Northrop Grumman Corp, em sua linha de montagem em El Segundo. Ele indica que há muito trabalho na montagem de seções de fuselagem para os jatos supersônicos F/A-18, presentes desde 1983 nos CVN (navios aeródromo de propulsão nuclear) da Marinha dos EUA e ainda com demanda pelo mundo.

Antes planejado para substituição, o jato hoje está em alta no Pentágono e para governos estrangeiros que buscam modernizar suas frotas. A linha de montagem da Northrop tem um volume de trabalho que vai levar, no mínimo, até 2014 para ser finalizado.

Segundo a reportagem do jornal LA Times, o “boom” para as 1.100 pessoas que trabalham com o F/A-18 em El Segundo – e em mais de 700 fornecedores de peças na Califórnia – é o subproduto de um constrangimento para o Pentágono. Hoje, já era para se iniciar a desativação dos F/A-18 e a ativação dos furtivos F-35. Mas a produção desse jato de nova geração está atrasada em anos, e ultrapassou o orçamento em bilhões de dólares.

No mês passado, um frustrado Secretário de Defesa Robert M. Gates disse que o F-35, planejado para utilização conjunta pela Marinha, Fuzileiros Navais e Força Aérea dos EUA, ainda não está pronto. Para preencher a lacuna, ele anunciou que a Marinha pretende comprar mais 41 F/A-18.

Menos de um ano atrás, a linha de montagem tinha trabalho suficiente para até o final deste ano, e havia temores de que ela se juntaria a dúzias de outras linhas, que diminuiram a produção ou fecharam as portas. Mas as encomendas surgiram: em março do ano passado, a Marinha encomendou 124 aviões adicionais. E então veio o anúncio de Gates sobre a aquisição de outros mais.

“Até que o F-35 esteja pronto, o F/A-18 vai manter cheios os convoos dos navios-aeródromo”, disse Loren Thompson, analista do Lexington Institute, um “think tank” de Arlington (Virgínia).

O F/A-18 entrou em ação pela primeira vez nos anos 1980, mas provou sua eficiência nos anos 1990, na Operação Tempestade no Deserto. No conflito, o jato derrubou caças da Força Aérea Iraquiana em combates e destruiu pontos fortes inimigos com bombas guiadas a laser, algumas vezes fazendo as duas coisas numa mesma missão. Hoje, o caça é visto rotineiramente em patrulhas de combate no Afeganistão.

As críticas para o F/A-18 — e todas as suas versões como o Hornet, Super Hornet e Growler — é que ele não é suficientemente furtivo, na opinião de Thompson. Ainda segundo o analista, a Boeing Co., que é a principal contratante do avião, realizou diversas mudanças no projeto para melhorá-lo, aumentando sua furtividade frente aos radares inimigos. Mas ele ainda não oferece características furtivas de um caça mais moderno como o F-35.

(Nota do Blog: por falar em versões, o Poder Aéreo selecionou entre as imagens para esta matéria duas em especial, em que se pode ver diferenças - e semelhanças – significativas entre o Hornet e o Super Hornet. Nas imagens abaixo, pode-se perceber a maior área alar do Super Hornet, que na foto decola de um CVN sem usar pós-combustão, que está acionada na foto do Hornet).
Imagem
Imagem

De qualquer forma, a Northrop ainda tem 151 seções de fuselagem para produzir, o que não inclui a encomenda pendente de Gates. E a empresa ainda pode fazer muito mais, pois países como o Brasil, Índia e Kuwait pretendem comprar caças a jato.

A Northrop entrega um conjunto de seção de fuselagem (que compreende a seção central e a traseira) a cada 4 dias e meio. Também produz as duas superfícies verticais da cauda do caça, e instala equipamentos eletrônicos e hidráulicos. Após checagens duplas de qualidade, as seções são enviadas à linha de montagem da Boeing em St. Louis, em carretas de 18 rodas, numa viagem de mais de 2.800 km.

O prédio de El Segundo é quase inteiramente construído de madeira, e trabalhadores vem montando aeronaves no local desde a Segunda Guerra Mundial - aviões como o SBD Dauntless, da então Douglas Aircraft Co. A Northrop passou a ocupar as instalações em 1977, para montagem do F-5 e do the F/A-18. Somando os trabalhadores da linha de montagem e os dos escritórios de engenharia da empresa, que ocupam mais de 20 prédios em El Segundo, são mais de 5.000 pessoas.

Em setembro, a Northrop anunciou o corte de 500 trabalhadores na sua divisão aeroespacial, com a maior parte atingindo as instalações de El Segundo e de Redondo Beach, também na região, onde se produzem satélites e sistemas laser de alta energia. Mas o pessoal que trabalha nos F/A-18 foi poupado.

Todd Harrison, um analista de defesa do Centro de Avaliações Estratégicas e de Orçamento (Center for Strategic and Budgetary Assessments), tem a opinião de que “o avião tem sido uma boa apólice de seguros para a Marinha. O F/A-18 continuará em demanda enquanto houver problemas com o programa F-35. E se você analisar o que esse programa tem passado nos últimos anos, não dá pra dizer o quão longe isso ainda vai.”

Imagem

FONTE: LA Times (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo – título original: “Aging fighter jet gets new lease on life”)

FOTOS: USN (Marinha dos EUA)

Leia mais (Read More): Poder Aéreo

_________________
[] Spock

Os Estados não se defendem exigindo explicações, pedidos de desculpas ou com discursos na ONU.

“Quando encontrar um espadachim, saque da espada: não recite poemas para quem não é poeta”


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Super Hornet News parte 2
MensagemEnviado: Sex Fev 11, 2011 11:26 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Ter Jan 12, 2010 1:42 am
Mensagens: 3007
Spock escreveu:
Citação:
Para colunista, Boeing sobe e Jobim cai

:shock:

Ich, Spock,

Acho que o horóscopo do ministro não tem sido favorável.

[]


Voltar ao topo
 
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Este tópico está trancado. Você não pode responder ou editar mensagens.  [ Array ]  Ir para página 1, 2, 3, 4, 5 ... 136  Próximo

Todos os horários são


Quem está online


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Ir para:  
Powered by phpBB © 2000, 2002, 2005, 2007 phpBB Group  
Design By Poker Bandits  
Traduzido por: Suporte phpBB Brasil