Forum Base Militar Web Magazine

Bem-vindo: Sex Jul 21, 2017 9:46 pm

Todos os horários são




Criar novo tópico Responder  [ Array ]  Ir para página Anterior  1 ... 47, 48, 49, 50, 51, 52, 53 ... 119  Próximo
Autor Mensagem
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qua Mar 21, 2012 8:26 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Jan 01, 2010 9:52 pm
Mensagens: 9189
Enquanto a gente viaja na END, o resto do mundo que não é potência vai as compras.

Damen Schelde transfiere la segunda fragata clase Sigma a la Armada de Marruecos

[Maquina de Combate <> 20/03/2012] El 10 de marzo de 2012, luego de una serie de exitosas pruebas de mar y tras terminar con el equipamiento final, la fragata misilera clase Sigma, Sultan Moulay Ismail, construida por la holandesa Damen Schelde Naval Shipbuilding (DSNS) en Vlissingen, fue transferida a la Real Armada de Marruecos.
El buque fue entregado acorde con los tiempos establecidos por cronograma y cumpliendo con todos los requerimientos estipulados por contrato, para la completa satisfacción del cliente. La entrega de la segunda fragata misilera – de tres unidades contratadas – fue lograda dentro de los cuatro años calendario desde la firma efectiva del contrato. La primera fragata, Tarik Ben Zayid fue comisionada el 10 de septiembre del 2011 y los trabajos para la tercera fragata para la Real Armada de Marruecos estan bastante avanzados.

"On February 6, 2008,[10] Morocco signed a USD$1.2 billion contract with Schelde Naval Shipbuilding for two Light frigate SIGMA 9813 and one Light frigate SIGMA 10145 which are modified versions of the existing SIGMA Class design.
A subsequent contract was signed[11] on the April 1, 2008 with Thales Nederland for the supply and installation of the command and control and sensor package for the ships. The package included TACTICOS combat management system, SMART-S Mk2 surveillance radar, LIROD Mk2 tracking radar, Thales KINGKLIP sonar system, IFF system, Integrated communication system comprising external communication system and FOCON internal communication system, two Target Designation Sights, VIGILE ESM system, SCORPION ECM system, and the integrated navigation system". Wikipedia

Duas Sigma 9813
Imagemship-hunters.be

Uma Sigma 10145
ImagemForum Defesa


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qua Mar 21, 2012 9:04 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Nov 29, 2007 9:11 pm
Mensagens: 9902
Localização: Caxias do Sul - RS
Bela nave heim !!!

E nem custa tão caro assim.....

Sds.


Sigma class corvette

Modular design
The basic design of the Sigma Patrol Series can vary as the hull segments are designed as components. Ships can vary in the number of hull segments and in the order in which they are placed. Sigma stands for Ship Integrated Geometrical Modularity Approach. The ship's main dimensions are named in the types itself, SIGMA 9113 stands for 91 meters long and 13 meters wide, same is with the SIGMA 10513, 105 meters in length and 13 meters wide.
The design was derived from the earlier High Speed Displacement hull form by MARIN Teknikk AS in the 1970s.


Users
Indonesia has four 9113 class corvettes in active service by 2009 and in August 2010 has sign a deal to build frigate PKR 105 based on SIGMA 10514 in PT PAL Shipyard Indonesia.
Morocco has ordered two 9813 class heavy corvettes (with VLS) and a light 10513 class frigate based on a modified design.

Indonesian variant
SIGMA 9113The Indonesian variant is based on the Sigma 9113 design. Work on the first of the class, KRI Diponegoro, began with the first steel cutting conducted in October 2004. The ship was christened on September 16, 2006 and commissioned on July 2, 2007 by Admiral Slamet Soebijanto, Indonesian Navy Chief of Staff.
Options for 2 other units were exercised on January 2006 with the first steel cut commenced on 3 April 2006 in Damen's Schelde Naval Shipbuilding yard, Vlissingen-Oost yard and not in Surabaya stated earlier.
In 28 August 2007, Jane's Missiles and Rockets reported that Indonesia was having problems securing the export license for the MM-40 Exocet block II and are considering Chinese made C-802 anti-ship missiles as alternatives. However, the ships have already been delivered with the Exocet missiles.

SIGMA 10514
On the 16 August 2010, Indonesia Defense Department, signed a deal with PT PAL Indonesia and Damen Schelde to build a 105 meters frigate in Indonesia based on Damen Schelde Sigma 10514 design. The frigate will be equipped with 100mm Main Canon, 12 MICA vertical launch air defence missile, Bofors ASW Rocket launcher SR375A, MM-40 Exocet block II, Torpedo, Phalanx and Smart-S MK2 radar system.


Moroccan variant
On February 6, 2008, Morocco signed a USD$1.2 billion contract with Schelde Naval Shipbuilding for two Light frigate SIGMA 9813 and one Light frigate SIGMA 10145 which are modified versions of the existing SIGMA Class design.
A subsequent contract was signed on the April 1, 2008 with Thales Nederland for the supply and installation of the command and control and sensor package for the ships. The package included TACTICOS combat management system, SMART-S Mk2 surveillance radar, LIROD Mk2 tracking radar, Thales KINGKLIP sonar system, IFF system, Integrated communication system comprising external communication system and FOCON internal communication system, two Target Designation Sights, VIGILE ESM system, SCORPION ECM system, and the integrated navigation system.


Ships of class
TNI-AL / Sigma 9113 design

Name Pennant Laid Down Launched Commissioned
KRI Diponegoro 365 24-Mar-2005 16-Sep-2006 5-Jul-2007
KRI Hasanuddin 366 24-Mar-2005 16-Sep-2006 24-Nov-2007
KRI Sultan Iskandar Muda 367 8-May-2006 24-Nov-2007 18-Oct-2008
KRI Frans Kaisiepo 368 8-May-2006 28-June-2008 7-Mar-2009

Moroccan Navy / Sigma 9813 & 10513 design
Name Pennant Laid Down Launched Commissioned
unknown 613 15-Apr-2009 12-July-2010 Aug-2011
unknown 614 Mar-2009 04-Feb-2011 Feb-2012
unknown 615 Sep-2009 Oct-2011 Aug-2012

Sigma versions
Simplified comparisons between the different Sigma models.

Specifications Sigma 9113 Sigma 9813 Sigma 10513 Sigma 10514

Ordered by Indonesian Navy Royal Moroccan Navy Royal Moroccan Navy Indonesian Navy
Length 90.01 meters 97.91 meters 105.11 meters 105.14 meters
Beam 13.02 meters 13.02 meters 13.02 meters 13.02 meters
Draft 3.6 meters 3.75 meters 3.75 meters 3.75 meters
Displacement 1692 tons 2075 tons 2335 tons 2400 tons
Main machinery 2 x 8910 kW 2 x 8910 kW 2 x 8910 kW 2 x 9240 kW
Speed (cruising) 18 knots 18 knots 18 knots 18 knots
Speed (maximum) 28 knots 28 knots 28 knots 30 knots
Endurance 4000nm 4000nm 4000nm 4000nm
Primary sensors Thales MW08 Thales SMART-S MK2 Thales SMART-S MK2 Thales SMART-S MK2


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qua Mar 21, 2012 9:40 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Mai 08, 2009 7:24 pm
Mensagens: 872
wstrobel escreveu:
Enquanto a gente viaja na END, o resto do mundo que não é potência vai as compras.

Damen Schelde transfiere la segunda fragata clase Sigma a la Armada de Marruecos

[Maquina de Combate <> 20/03/2012] El 10 de marzo de 2012, luego de una serie de exitosas pruebas de mar y tras terminar con el equipamiento final, la fragata misilera clase Sigma, Sultan Moulay Ismail, construida por la holandesa Damen Schelde Naval Shipbuilding (DSNS) en Vlissingen, fue transferida a la Real Armada de Marruecos.
El buque fue entregado acorde con los tiempos establecidos por cronograma y cumpliendo con todos los requerimientos estipulados por contrato, para la completa satisfacción del cliente. La entrega de la segunda fragata misilera – de tres unidades contratadas – fue lograda dentro de los cuatro años calendario desde la firma efectiva del contrato. La primera fragata, Tarik Ben Zayid fue comisionada el 10 de septiembre del 2011 y los trabajos para la tercera fragata para la Real Armada de Marruecos estan bastante avanzados.

"On February 6, 2008,[10] Morocco signed a USD$1.2 billion contract with Schelde Naval Shipbuilding for two Light frigate SIGMA 9813 and one Light frigate SIGMA 10145 which are modified versions of the existing SIGMA Class design.
A subsequent contract was signed[11] on the April 1, 2008 with Thales Nederland for the supply and installation of the command and control and sensor package for the ships. The package included TACTICOS combat management system, SMART-S Mk2 surveillance radar, LIROD Mk2 tracking radar, Thales KINGKLIP sonar system, IFF system, Integrated communication system comprising external communication system and FOCON internal communication system, two Target Designation Sights, VIGILE ESM system, SCORPION ECM system, and the integrated navigation system". Wikipedia

Duas Sigma 9813
Imagemship-hunters.be

Uma Sigma 10145
ImagemForum Defesa


Será que pega fogo? Senão nao interessa.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qui Mar 22, 2012 8:57 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Dez 05, 2007 2:02 pm
Mensagens: 9157
Citação:
Armada, esquadra ou flotilha

21/3/2012 13:00, Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva - de Boa Vista
Marinha
Imagem
A Marinha ainda investe na compra dos velhos S-2 Tracker, da década de 50

Os aficionados na história universal já ouviram falar na “invencível armada”, mobilizada por Felipe II da Espanha, que enfrentou a esquadra britânica de Sir Francis Drake, para variar um velho lobo do mar que fez e aconteceu com os 130 navios “bem artilhados” de comando do Duque de Medina-Sidônia, facilmente superados pelo maior poder de disparo das ágeis e leves belonaves de Sua Majestade. Senhores, uma força naval séria custa caro. Acontece que precisamos de uma muito mais do que séria para guarnecer litoral que ultrapassa os 7 mil km de extensão, depositário de riquezas incalculáveis, que temos de manter em nossa posse para usufruto das gerações que estão por vir.

Eis que novamente a pasta da defesa é alvo de cortes no orçamento, em volta de R$ 3,3 bilhões, sobrando para manutenção, não só da Marinha, como das demais Forças Armadas, a bagatela de R$ 13 bilhões. Curiosamente a sangria corresponde à metade do preço de custo de um submarino nuclear francês da classe Suffren que, sem prejuízo do negociado com a França com transferência de tecnologia, poderia ser adquirido o mais cedo possível para adestramento das tripulações dos seis submergíveis do tipo, os quais o chefe do Estado-maior da Armada visualiza serem incorporados apenas a partir de 2030.

E agora não é o oficial do Exército leigo no assunto quem fala, mas, sim, um brasileiro interessado como qualquer outro na sua Marinha, que não pertence apenas aos marinheiros, posto que ela é de todos nós. Estou me baseando em fontes fidedignas que se manifestam quanto ao gasto com supérfluos/paliativos em um discutível plano de reaparelhamento da Força. É de se pensar se estaríamos interessados na criação de um memorial aeronaval operacional para visitação pública? Seria possível acreditar que o país ainda procurasse adquirir aeronaves S-2 Tracker desativadas? Isto seria de pasmar na medida em que a marinha dos EUA passou a operar com o avião em meados dos anos de 1950, tendo-os colocado na reserva já na década de 1970. Não seria temerária, para o Brasil do pré-sal, a equipagem de nossos meios aeronavais com esses refugos do “irmão Caim do norte”?

Mas o tributo aos “anos da brilhantina” não para por aí. O caça A4KU, “prima dona” das aeronaves embarcadas, com missão de ataque e proteção da esquadra, é o McDonnel Douglas, algumas poucas unidades, não chegam a 16, compradas em 1997 dos estoques do Kuwait. Estes se encontrariam em modernização pela EMBRAER, onde devem receber nova suíte de aviônicos, incluindo novo radar e dotação com mísseis ar-ar Python 4 e Derby de origem israelense. A pergunta que o vivente quer respondida é se esses modernismos vão capacitar o caça a enfrentar um correspondente de última geração lançado pelos aeródromos dos grandes predadores militares? Afinal de contas queremos ser mártires ou heróis?

Como destinar recursos e otimizá-los da melhor maneira para se obter, com o menor custo, melhor ganho operacional? Por certo, as migalhas que a politicalha descomprometida concede às “Desarmadas Forças”, para o pão de cada dia que se diga, não devem ser empenhadas em equipamentos obsoletos, espécimes que já se constituem em autênticos antológicos dos tempos do onça. Em sendo assim, ao que tudo indica, a ênfase prioritária faz pender novamente para a mais imediata incorporação de submergíveis nucleares à Força Naval.

Mas o cidadão quer saber a razão. Quais as reais vantagens de um submarino nesses moldes que, para nós, não poderia lançar mísseis nucleares, signatários que somos do vil TNP? Ah! Essa belonave é capaz de permanecer por muito mais tempo submersa, tem uma autonomia a perder de vista e pode engajar e desengajar o combate com rapidez inusitada. Todavia, o leigo não quer saber disso. Para nós, marujos de primeira viagem que pagam impostos, queremos saber: qual a capacidade maior que se terá em termos de poder de retaliação ao oponente; se sua construção nos viabiliza o lançamento de mísseis, mesmo que convencionais, na situação de submerso. Em suma, como principais financiadores de uma nação armada, queremos e devemos exigir material que inflija danos ao inimigo e não apenas um tubo que nos permita fugir do combate como o diabo foge da cruz!

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é coronel de Infantaria e Estado-Maior.
http://correiodobrasil.com.br/armada-esquadra-ou-flotilha/411206/

_________________
Abraços.

Imagem


Não alimente os trolls------------Don't feed the trolls---------------インタネット荒らしを無視しろ


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qui Mar 22, 2012 9:22 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Nov 29, 2007 9:11 pm
Mensagens: 9902
Localização: Caxias do Sul - RS
akivrx78 escreveu:
Citação:
Armada, esquadra ou flotilha

21/3/2012 13:00, Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva - de Boa Vista
Marinha
Imagem
A Marinha ainda investe na compra dos velhos S-2 Tracker, da década de 50

Os aficionados na história universal já ouviram falar na “invencível armada”, mobilizada por Felipe II da Espanha, que enfrentou a esquadra britânica de Sir Francis Drake, para variar um velho lobo do mar que fez e aconteceu com os 130 navios “bem artilhados” de comando do Duque de Medina-Sidônia, facilmente superados pelo maior poder de disparo das ágeis e leves belonaves de Sua Majestade. Senhores, uma força naval séria custa caro. Acontece que precisamos de uma muito mais do que séria para guarnecer litoral que ultrapassa os 7 mil km de extensão, depositário de riquezas incalculáveis, que temos de manter em nossa posse para usufruto das gerações que estão por vir.

Eis que novamente a pasta da defesa é alvo de cortes no orçamento, em volta de R$ 3,3 bilhões, sobrando para manutenção, não só da Marinha, como das demais Forças Armadas, a bagatela de R$ 13 bilhões. Curiosamente a sangria corresponde à metade do preço de custo de um submarino nuclear francês da classe Suffren que, sem prejuízo do negociado com a França com transferência de tecnologia, poderia ser adquirido o mais cedo possível para adestramento das tripulações dos seis submergíveis do tipo, os quais o chefe do Estado-maior da Armada visualiza serem incorporados apenas a partir de 2030.

E agora não é o oficial do Exército leigo no assunto quem fala, mas, sim, um brasileiro interessado como qualquer outro na sua Marinha, que não pertence apenas aos marinheiros, posto que ela é de todos nós. Estou me baseando em fontes fidedignas que se manifestam quanto ao gasto com supérfluos/paliativos em um discutível plano de reaparelhamento da Força. É de se pensar se estaríamos interessados na criação de um memorial aeronaval operacional para visitação pública? Seria possível acreditar que o país ainda procurasse adquirir aeronaves S-2 Tracker desativadas? Isto seria de pasmar na medida em que a marinha dos EUA passou a operar com o avião em meados dos anos de 1950, tendo-os colocado na reserva já na década de 1970. Não seria temerária, para o Brasil do pré-sal, a equipagem de nossos meios aeronavais com esses refugos do “irmão Caim do norte”?

Mas o tributo aos “anos da brilhantina” não para por aí. O caça A4KU, “prima dona” das aeronaves embarcadas, com missão de ataque e proteção da esquadra, é o McDonnel Douglas, algumas poucas unidades, não chegam a 16, compradas em 1997 dos estoques do Kuwait. Estes se encontrariam em modernização pela EMBRAER, onde devem receber nova suíte de aviônicos, incluindo novo radar e dotação com mísseis ar-ar Python 4 e Derby de origem israelense. A pergunta que o vivente quer respondida é se esses modernismos vão capacitar o caça a enfrentar um correspondente de última geração lançado pelos aeródromos dos grandes predadores militares? Afinal de contas queremos ser mártires ou heróis?

Como destinar recursos e otimizá-los da melhor maneira para se obter, com o menor custo, melhor ganho operacional? Por certo, as migalhas que a politicalha descomprometida concede às “Desarmadas Forças”, para o pão de cada dia que se diga, não devem ser empenhadas em equipamentos obsoletos, espécimes que já se constituem em autênticos antológicos dos tempos do onça. Em sendo assim, ao que tudo indica, a ênfase prioritária faz pender novamente para a mais imediata incorporação de submergíveis nucleares à Força Naval.

Mas o cidadão quer saber a razão. Quais as reais vantagens de um submarino nesses moldes que, para nós, não poderia lançar mísseis nucleares, signatários que somos do vil TNP? Ah! Essa belonave é capaz de permanecer por muito mais tempo submersa, tem uma autonomia a perder de vista e pode engajar e desengajar o combate com rapidez inusitada. Todavia, o leigo não quer saber disso. Para nós, marujos de primeira viagem que pagam impostos, queremos saber: qual a capacidade maior que se terá em termos de poder de retaliação ao oponente; se sua construção nos viabiliza o lançamento de mísseis, mesmo que convencionais, na situação de submerso. Em suma, como principais financiadores de uma nação armada, queremos e devemos exigir material que inflija danos ao inimigo e não apenas um tubo que nos permita fugir do combate como o diabo foge da cruz!

Paulo Ricardo da Rocha Paiva é coronel de Infantaria e Estado-Maior.
http://correiodobrasil.com.br/armada-esquadra-ou-flotilha/411206/




Eita..... um dia vou aprender a escrever assim....

Assino em baixo.

Enquando vamos de A-4 da época da guerra da Coréia..... mas não logo.... só lá por 2016..... os falidos vão de F-35.....

http://www.aereo.jor.br/2012/03/22/vide ... ent-224147

Enjoy !!!

Sds.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qui Mar 22, 2012 10:36 pm 
Offline
Sênior
Sênior
 Perfil

Registrado em: Qua Jan 10, 2007 6:07 pm
Mensagens: 2201
Eu uma vez vi uma foto do PA Australiano nos ínicio dos anos 80 aonde tirando o S Hawk... vai ficar muuuuuuuuuuuuuuuito semelhante ao Sampa :( .

Na época o meu comentário foi que finalmente 'estaríamos' chegando a década de 80 :( .

[]s
CB_Lima

_________________
Ordem e Progresso :)


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sex Mar 23, 2012 6:56 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Mai 08, 2009 7:24 pm
Mensagens: 872
cb_lima escreveu:
Eu uma vez vi uma foto do PA Australiano nos ínicio dos anos 80 aonde tirando o S Hawk... vai ficar muuuuuuuuuuuuuuuito semelhante ao Sampa :( .

Na época o meu comentário foi que finalmente 'estaríamos' chegando a década de 80 :( .

[]s
CB_Lima


Geralmente eu não gosto do que esse Coronel de Infantaria e Estado Maior (??) escreve, mas o último parágrafo faz coro ao que sempre repito.

Estamos gastando uma fábula para "dizer" que temos um submarino de propulsão nuclear (pois não é muito mais que um Scorpene alongado) e um porta-aviões obsoleto para a guerra do Vietnan.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sex Mar 23, 2012 2:26 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Jan 01, 2010 9:52 pm
Mensagens: 9189
Vamos sonhar um pouco!!!

Indonesia Amphibious Assault ** http://www.youtube.com/watch?v=lITvk8Wh4Zo

Interessante o transporte de tropa que a Indonésia comprou, cinco barcos usados que estavam parados devido a concorrência com as passagens aéreas baratas. Cada um leva 600 militares e equipamento.

Mas eles são um arquipélago, no nosso caso não sei se caminhão de tropa é mais adequado e mais barato. Todo dia eu vejo o caminhão dos FN fazendo a troca da guarda aqui na Barra-Salvador.
Não que eu esteja propondo que a MB venda seus navios e compre mais caminhões, só estou apontando o fato deles não poderem se transportar entra as ilhas a não ser por meios navais.

Imagemtiothepolice94
ImagemKaskus

Eles não são navios de guerra, para isso eles tem seus 26 navios anfíbios e mais 5 LPD e 4 LCU, uma força de desembarque de respeito para nosso padrão Sul Americano.

12 unidades do Frosch-I/Type 108 da Alemanha Oriental, modernizados na indonésia.
ImagemInilah
ImagemMilitary defense
Imagem

6 unidades do Classe Capana da Coreia do Sul, ativos.
Imagemportierramaryaire
Imagemintnet.mu
ImagemMilitary Tecnology

8 unidades do LST 511 e 512 ex USNAVY, da segunda guerra, metade ativos. Fotos de 2007
ImagemKomando Militer
Imagem
Imagem

5 unidades LPD classe Makassar, produzidos na Indonésia e Coreia do Sul, um é hospital. Todos Ativos
Imagemwiki

4 unidades LCU da Classe Kupang
ImagemDaftar
ImagemDaftar

1 unidade do KRI Tanjung Kambani de 7.000 tons
Imagem
Imagem
Imagem

3 unidades pesadas de transporte de tropas para 3.000 pessoas, comprados usados.
Imagem
Imagemshipspotting
Imagem
Imagemantaranews


Array

Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sex Mar 23, 2012 4:07 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Dom Mar 20, 2011 5:35 pm
Mensagens: 1122
Para uma nação feita de milhares de ilhas, meios navais são imprescindíveis.

_________________
“Para saber quem domina o mundo, você deve saber qual grupo não se pode criticar” - Kevin Alfred Strom
"Somente os ingênuos ou ignorantes acham que o Brasil não possui inimigos" - Batman


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sex Mar 23, 2012 10:18 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Sex Jan 01, 2010 9:52 pm
Mensagens: 9189
Vou postar aqui os navios de desembarque do Brasil, não sei o estado de cada um. Fonte: Wikipedia
OBS: NDCC é Navio de desembarque de carros de combate e NDD é Navio de desembarque-doca.

NDCC Almirante Saboia (G-25)
Foi incorporado à Royal Navy com o nome de RFA Sir Bedivere em 18 de maio de 1967 e desincorporado em 18 de fevereiro de 2008, participando da Guerra das Malvinas e da Guerra do Golfo.
Foi incorporado a Marinha do Brasil em 21 de maio de 2009, na cidade de Falmouth - Inglaterra.
Imagemwiki

NDCC Mattoso Maia (G-28)
Integrante da Classe Newport, foi incorporado à Marinha dos Estados Unidos com o nome de USS Cayuga (LST-1186) em 8 de agosto de 1970, tendo atuado no teatro de operações da Guerra do Vietnã e da Guerra do Golfo.
Desincorporado em 29 de julho de 1994 foi adquirido pela Marinha do Brasil e incorporado à Armada a 30 de agosto do mesmo ano.
Imagemwiki

NDCC Garcia D'Avila (G-29)
Foi incorporado à Royal Navy com o nome de RFA Sir Galahad (1987) em 25 de novembro de 1987 e desincorporado em 31 de agosto de 2006.
Foi adquirido pela Marinha do Brasil e recebido em 4 de dezembro de 2007, em Portsmouth, Reino Unido. A incorporação à Armada ocorreu no dia 29 de maio de 2008
Imagemwiki

NDD Ceará (G-30)
Construido pelo estaleiro americano Ingalls Shipbuilding, em Pascagoula, Mississippi, foi lançado ao mar em 12 de junho de 1956. Serviu a Marinha americana no período de 14 de dezembro de 1956 a 2 de outubro de 1989, com o nome de USS Hermitage (LSD-34).
Foi incorporado a Marinha do Brasil em 28 de novembro de 1989.
Imagemwiki

NDD Rio de Janeiro (G-31)
Construido pelo estaleiro americano Ingalls Shipbuilding, em Pascagoula, Mississippi, foi lançado ao mar em 20 de janeiro de 1956. Serviu a Marinha americana no período de 24 de agosto de 1956 a 28 de setembro de 1989, com o nome de USS Alamo (LSD-33).
Foi incorporado a Marinha do Brasil em 21 de novembro de 1990.
Imagemwiki


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sex Mar 23, 2012 10:26 pm 
Offline
Sênior
Sênior
 Perfil

Registrado em: Qua Jan 10, 2007 6:07 pm
Mensagens: 2201
Se eu não me engano ou o Rio ou o Ceará estão no osso e acho que não voltam mais :(

Eu também li em algum lugar que o Mattosão não está lá essas coisas todas. :(

[]s
CB_Lima

_________________
Ordem e Progresso :)


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sáb Mar 24, 2012 2:22 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Ter Abr 29, 2008 10:20 pm
Mensagens: 1496
Penso que seria interessante termos belonaves como essa que foi adquiridas pelo Marrocos em nossa OB...Um mix Hi-Lo com escoltas de 6000t e um nº maior de belonaves como essas, com um deslocamento menor...Uma proporção 12 Hi e 18 Lo... Que acham? Essas Lo seria dedicadas (antisub, antiaéreas ou antisuperfície) enquanto teríamos um mix Hi de 8 (emprego geral) e 2 (antiaéreas) e 2(antisub)... Teriamos massa crítica e belonaves modernas...Até por que as Niteróis possuem deslocamento de + ou - 3000t...

_________________
Brasil, o País da Desfaçatez e dos Hipócritas!


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Sáb Mar 24, 2012 4:22 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qui Nov 29, 2007 9:11 pm
Mensagens: 9902
Localização: Caxias do Sul - RS
cb_lima escreveu:
Se eu não me engano ou o Rio ou o Ceará estão no osso e acho que não voltam mais :(

Eu também li em algum lugar que o Mattosão não está lá essas coisas todas. :(

[]s
CB_Lima


É verdade..... estão no "estaleiro".... seriamente abalados pelo problema de falta de $$$$$$$$.

Mas, sobre o Mattoso..... vai indo a passos de gágado cego...

EMPRESA GERENCIAL DE PROJETOS NAVAIS
AVISO DE LICITAÇÃO
TOMADA DE PREÇOS No- 22/2012
Objeto: Prestação dos serviços de recuperação dos Compressores de
Ar Comprimido e Sistemas de Distribuição de Ar Comprimido e seus
sistemas acessórios, do Navio de Desembarque de Carros de Combate
"Mattoso Maia", doravante denominado "NAVIO". O objeto também
inclui a substituição de sobressalentes de fornecimento a cargo da
contratada (Apêndice I) e a realização de provas de cais. Total de Itens
Licitados: 0001. Edital: 23/03/2012 de 08h às 12h e de 13h às 17h.
ENDEREÇO: http://www.emgepron.com.br. ou http://www.emgepron.mar.mil.br.
Entrega das Propostas: 26/04/2012 até às 09:30h. Endereço: Ilha das
Cobras, edifício Almirante Raphael de Azevedo Branco, 2° andar, RJCentro
do Rio de Janeiro - RJ.
MARCO ANTONIO COSTA OLIVEIRA
Presidente da Comissão de Licitação

Quanto ao NDD Ceará, a última notícia que eu tinha é que em 2009 havia concluido Periodo de Manutenção Geral (PMG).



Sds.


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qua Mar 28, 2012 11:01 pm 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Ter Jan 18, 2011 4:36 pm
Mensagens: 852
Com a MB sofrendo de obsolência em bloco para que manter o Ceará e Rio de Jan? Os dois já deveriam ter dado baixa a muito tempo.
Eu vou além, não adianta manter várias unidades se o estado geral da frota é ruim. Eu daria baixa em 1 ou 2 Niteróis e 2 Greenhalghs para canibalizá-las e melhorar a condição das demais.
É melhor poucas unidades, mas em bom estado, do que muitas, paradas no porto!


Voltar ao topo
 
 Título: Re: Programa de Reaparelhamento da Marinha
MensagemEnviado: Qui Mar 29, 2012 9:39 am 
Offline
Sênior
Sênior
Avatar do usuário
 Perfil

Registrado em: Qua Mai 20, 2009 3:49 pm
Mensagens: 1056
Discao escreveu:
Com a MB sofrendo de obsolência em bloco para que manter o Ceará e Rio de Jan? Os dois já deveriam ter dado baixa a muito tempo.
Eu vou além, não adianta manter várias unidades se o estado geral da frota é ruim. Eu daria baixa em 1 ou 2 Niteróis e 2 Greenhalghs para canibalizá-las e melhorar a condição das demais.
É melhor poucas unidades, mas em bom estado, do que muitas, paradas no porto!



Isto é heresia na MB...

Com menos navios "em serviço", você precisa de menos Capitães, menos homens em serviço, precisa gastar menos dinheiro do contribuinte para mantê-los todos estocados, etc, etc, etc...

Se vc deixasse "em serviço" somente o que funciona na MB, teria que demitir 80% do pessoal ativo... E lembre-se de que Militar também é Funcionário Público!

_________________
"Quando estou voando... me sinto no céu!!."


Voltar ao topo
 
Exibir mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar novo tópico Responder  [ Array ]  Ir para página Anterior  1 ... 47, 48, 49, 50, 51, 52, 53 ... 119  Próximo

Todos os horários são


Quem está online


Enviar mensagens: Proibido
Responder mensagens: Proibido
Editar mensagens: Proibido
Excluir mensagens: Proibido
Enviar anexos: Proibido

Ir para:  
cron
Powered by phpBB © 2000, 2002, 2005, 2007 phpBB Group  
Design By Poker Bandits  
Traduzido por: Suporte phpBB Brasil